Top: O que vocês estão lendo hoje



" As vezes me pergunto se existe algo errado comigo. Talvez eu gaste muito tempo na companhia dos meus heróis românticos literários e consequentemente minhas idéias e expectativas são extremamente altas"

                                                                 Ana Steele
                                                              50 tons de cinza

5 comentários

  1. Eu não gosto muito de livros sobre a segunda guerra, mas esse é especial "a menina que roubava livros". Por dois motivos: primeiro, ele mostra o lado dos civis alemães; segundo, ele desmistifica a segunda guerra maniqueísta que vemos em todos filmes e livros de guerra.

    ResponderExcluir
  2. Parei entre eles, mas não era um deles. Estava envolto numa mortalha de pensamentos, que não eram deles!
    LORD BYRON (1788-1824)

    ResponderExcluir
  3. De suspirar em vão já fatigado,
    Dando trégua a meus males eu dormia;
    Eis que junto de mim sonhei que via
    Da Morte o gesto lívido, e mirrado:

    Curva foice no punho descarnado
    Sustentava a cruel, e me dizia:
    "Eu venho terminar tua agonia;
    Morre, não penes mais, oh desgraçado!"

    Quis ferir-me, e de Amor foi atalhada,
    Que armado de cruentos passadores
    Aparece, e lhe diz com voz irada:

    "Emprega noutro objeto os teus rigores;
    Que esta vida infeliz está guardada
    Para vítima só de meus furores."
    BOCAGE (1765-1805)

    Ao sonho de morrer contrapõe-se o castigo de viver, principalmente se o viver estiver estigmatizado pela dor do Amor. Nesse soneto, Morte e Amor entram em conflito pela posse do "objeto" cobiçado.

    Atalhada - do verbo atalhar, impedir de continuar.
    Furores - grandes exaltações de ânimo, fúrias.

    Pela academia, Bocage era um poeta árcade. Depois dizem que era pré-romântico. A verdade é que Bocage era "romântico" mas fora dos padrões acadêmicos, que insiste em tratar o sujeito em uma máquina, um tipo de ciência exata como a matemática e a física. Sentimentos existem desde os primórdios. O correto, é ver que o romantismo refere-se ao sentimento exacerbado. Não tem nada com coisas como enfiar a língua na garganta do outro. Romântico é quem tem os nervos à flor da pele. Os vikings eram românticos, pois não tinham medo da morte, e sim como ela de dava. O viking só iria para o valhalla (paraíso), se morresse em combate, por isso eram terrores para os povos "normais", que não lutam para evitar a morte, que é certa.
    Os trezentos de Esparta foram românticos, pois sacrificaram suas vidas para que a Grécia vivesse. E devido aos trezentos (guarda pessoal do rei Leônidas), a Grécia vive até hoje, não pensando no país que é hoje, mas no legado deixado na história, como os criadores da filosofia e da ciência. É base da nossa língua portuguesa, é base de escrita de alfabetos dos povos eslavos, criaram a música entre tantas coisas que existem até hoje, como a política.
    Talvez o erro esteja ao empregar a palavra "romantismo", em situações inadequadas, como no ato de fazer sexo. O sexo é um ato de perpetuação da espécie, não tem nada de "ideal!" Características como: culto à morte, à natureza, nacionalismo exacerbado, culto à idade média entre outras, são características "românticas!"

    ResponderExcluir
  4. Respostas
    1. Que legal, ainda não li este. Vou pesquisar. :)

      Excluir